Não és o meu povo

Não és o meu povo.⠀Quando no almejo de ser alguém no vosso meio, reviraram os olhos ao ver que era algo novo, novidade – quantos anos você tem? Você é bem novo, mas já tem idade pra ter carteira, cadê seu carro novo, hein?⠀ Pois meu carro está nas despesas de casa, na luz que…

a mosca esfrega as patinhas

A mosca esfrega as patinhas ⠀para a carne moída do charuto⠀para o charuto decepado no cinzeiro⠀para a cinza caída do incenso de eucalipto⠀para as rezas feitas diante do incensário⠀para a fé da romaria dos simplórios⠀para as romarias que se atulham na entrada do banco⠀para as notas de cem, ⠀de cinquenta, ⠀de dez,⠀que detém na carteira…⠀⠀A…

A Valsa dos Diabos

Quem é o diabo desta valsa?⠀Certamente não se sabe⠀Um e sua ideia fugaz⠀Outra, a reger seu coração na alça⠀Mira a sua volúpia atentamente ⠀Acorrenta-o à sua caricia mordaz⠀Dança ao som do seu amor dissidente⠀E pega-lhe firme nas mãos⠀Entrelaça-lhe ainda seus dedos⠀Mas não valsa com fivela no ventre⠀Quem dirá, com quem finge paixão⠀Assim, lhe abrasa as…

A hora espessa

Deita o jugo sombrio das horasComo uma faca ternamente cravada na nucaApressando a caída do equilíbrio, a queda da vontadeO sono impossível que procura no momento mais inerteA dor que pulsa dum lado a outro da têmpora talhando a cabeçaFeito um baúE por dentro:felinos, nãos, fervores tão porosos, ambições cansativas,mães infinitamente sofrentesÉA hora iminenteA hora…

Flor de conveniência

Clareia a flor, onde permeia dorOdor de terrado sem relva no qual sem sol fui plantadoe não me rega, nem de lágrima, mas do deixar-me de ladoEra para ser flor, mas fui colmeia do seu torpore de outras coisas sem pudor, e agora fica aí me chamando de amorMas fica aí, que daqui eu não…

O Quadro Preto

E como está mal pintado, é só preto. O quer para registro ou amostra? Decoração ou pintura? Um requadrotodo preto; sem esboço, sem feições, sem abstracionismo: concreta e inteiramente noturno Ora!Se salpicar nódoas brancas terá estrelasSe emporcalhar algum contraste terá o modernoSe riscar qualquer injuria terá ao menos a critica Jamais deixe um quadro pretoAssim,…

Manoel de Barros sem pé e a Vileza da idade Adulta

Ao salvar agora a pouco a imagem do Manoel violado, com o titulo “manoel sem pé.jpeg” senti uma ambígua ironia. Não como se me aprazasse saber que uma das pouquíssimas apreciações desta cidade de negócios (Campo Grande) à arte, e em especifico, a um dos meus autores favoritos de todos os tempos, foi violada, mas…

Mulher!

Chove, mulher! Tenho-te nesta bela alturacoisas e coisas, et cetera, sonho frutíferoEnseada noturna, e o rasgo de minha suturaSangra peito, sangra! Encrostado feitoUm carrapato, um agarrar-se as efemeridadesE renuncio à redondilha, à bela literaturaPor pruridos, um surto primordialChego à tua porta, bato a aldrabaMas te manténs fechada, pergunto se possoDiz que não, que lentilhas, que…

Gravidade interior

esfolo-te vivo, vadio, se me trazes outra vez versos desses -Herberto Helder Há um continuo desencaixe do senso; como se não me basto nesta camada estreita de pele, como se tem furor demasiado em meu corpo para que ele se suporte, e em letras, estas que tão banalmente reproduzo, esforço-me para encontrar algum tipo de…

scabiosa

Cansa-te, que me canso tambémSilencia-te que meu silêncio vai alémAma-me e do teu amor serei refémVai-te agora! Rasga o cordão umbilicalOu perpetua-me o fado, o manancialDe tais mãos escorrem segredos, perfumes, dentes afiados, e me servem de abrigoTu? Suspendes volumes acima – ardente volúpia ou indiferença absconsaEscolha; à tua voz condigoSerei tua lauda de poemas,…